Domingo XXIV do Tempo Comum (PDF) TEXTO

Deus perdoa sempre

Esteban Murillo, O regresso do Filho Pródigo

Somos chamados a amar a todos, sem excepção, mas amar um opressor não significa consentir que continue a ser tal; nem levá-lo a pensar que é aceitável o que faz.

Amá-lo correctamente é procurar, de várias maneiras, que deixe de oprimir, tirar-lhe o poder que não sabe usar e que o desfigura como ser humano.

Perdoar não significa permitir que continuem a espezinhar a própria dignidade e a do outro, ou deixar que um criminoso continue a fazer mal.

Quem sofre injustiça tem de defender vigorosamente os seus direitos e os da sua família, precisamente porque deve guardar a dignidade que lhes foi dada, que Deus ama.

Perdoar não equivale a esquecer e que, muito pelo contrário, é essencial ter memória. Não se evolui sem uma memória íntegra e luminosa.

O perdão é precisamente o que permite buscar a justiça sem cair no círculo vicioso da vingança nem na injustiça do esquecimento.

Papa Francisco, 4 Out 2020

Alegria e gratidão

Caros paroquianos de S. Francisco Xavier
O início de um novo ano letivo e pastoral não pode ser feito sem uma recordação cheia de alegria e gratidão por tudo o que aconteceu no nosso país, na nossa cidade e em particular na nossa paróquia de S. Francisco Xavier por ocasião da JMJ LISBOA 2023.

A JMJ LISBOA 2023 envolveu na nossa Paróquia mais de 90 voluntários, cerca de 3200 peregrinos presentes nas quatro catequeses que organizámos em quatro locais distintos, e cerca de 600 peregrinos a pernoitar entre escolas e famílias de acolhimento.

A JMJ LISBOA 2023 foi um momento único na nossa Paróquia, e juntou jovens de várias partes do mundo: Espanha, Colômbia, Estados Unidos, Canadá, França, etc. Permitiu-nos viver momentos únicos numa Igreja em que todos se sentem em casa, porque igualmente atraídos por Cristo, e para Ele conduzidos pelo carinho materno e pressuroso de Nossa Senhora.

Que acontecimento extraordinário! Que experiência inesquecível! E que frutos magníficos estão já a ser dados ou virão a sê-lo nos próximos tempos!

Mas esta hora deve ser ainda, prioritariamente, um tempo para agradecer.
Primeiro, agradecer a Deus, nosso Senhor, por todas as graças, dons, luzes e forças que concedeu à sua Igreja, e em particular a todos os que se entregaram e deram o seu melhor para que a JMJ LISBOA 2023 fosse o tempo de graça, de conversão, de santificação, de amizade e de encontro que efetivamente foi, superando todas as expetativas e emudecendo todas as vozes doentiamente críticas que tiveram de remeter-se a um envergonhado silêncio.

Mas não podemos ficar num agradecimento genérico, há que concretizar!

No âmbito da nossa paróquia, há um primeiro agradecimento que, por elementar justiça, deve ser dirigido a um vasto conjunto de parceiros institucionais, entre os quais se destaca a Junta de Freguesia de Belém e o Agrupamento de Escolas do Restelo, além de numerosas empresas e entidades, que receberão, em meu nome e em nome de toda a Paróquia, uma mensagem pessoal de muita gratidão.

Mas é igualmente prioritário o agradecimento de toda a Paróquia ao COP – Comité Organizador Paroquial – de S. Francisco Xavier, que, com a eficaz e dinâmica coordenação da Ticha Balula, a competência dos chefes de equipa e a dedicação de todos os voluntários, e contando sempre com a presença, apoio e participação ativa do Sr. Pe. Miguel Pereira, fez um trabalho extraordinário, que merece ficar registado na nossa memória e nos nossos corações.

Um segundo agradecimento é para as famílias, que abriram de par em par as portas das suas casas, e assim experimentaram certamente a alegria de acolher, na pessoa dos jovens peregrinos, o próprio Jesus, cumprindo literalmente o que diz o Evangelho: “Era peregrino, e Me recolhestes” (Mateus 25, 35).

Inseparável dos anteriores é um agradecimento específico para os voluntários, salientando todo o empenho e entrega que viveram, para que a JMJ fosse um êxito na nossa paróquia e na nossa cidade. São muitos os testemunhos de amizades que se fizeram entre voluntários, com os peregrinos e com muitos paroquianos.

Para todos e cada um dos voluntários, este tempo que se segue à JMJ é por si só um desafio a continuarem a ser ativos na nossa Paróquia, na missa, nos coros, na catequese, no aprofundamento da fé, na caridade ativa e na partilha e em tantas iniciativas que o Espírito Santo nos queira inspirar.

Por fim, em sintonia com o COP, quero agradecer à Paróquia e a todos os paroquianos a forma generosa como contribuíram para o sucesso da JMJ LISBOA 2023!
Foi muito bonito ver toda a comunidade envolvida, dando o seu tempo, abrindo as portas das suas casas, acolhendo de forma especial nas nossas igrejas os jovens que recebemos de diferentes nacionalidades, mimando diariamente os nossos voluntários e peregrinos. Deus vos recompense e abençoe!

Na homilia das Vésperas celebradas nos Jerónimos, o Santo Padre referiu-se com insistência ao cansaço que muitas comunidades parecem experimentar. Graças a Deus, não parece ser o caso da Paróquia de S. Francisco Xavier. E se, em muitas paróquias, esse cansaço terá existido até há pouco, a preparação e a vivência da Jornada Mundial da Juventude trouxeram, como está bem à vista, uma cura radical, um novo entusiasmo, uma nova esperança.

Por isso, agradecemos profundamente esta lembrança e este desafio que o Papa Francisco nos deixou na mesma ocasião:
“Somos chamados a lançar de novo as redes e a abraçar o mundo com a esperança do Evangelho. Não é momento de parar, não é momento de desistir, não é momento de atracar o barco à margem nem de olhar para trás; não temos que escapar deste tempo, só porque nos mete medo, para nos refugiarmos em formas e estilos do passado. Não! Este é o tempo da graça que o Senhor nos concede para nos aventurarmos no mar da evangelização e da missão”.

Mas agora a grande questão é esta: como o vamos fazer?
A intercessão de Nossa Senhora e o exemplo do missionário incansável que foi S. Francisco Xavier serão certamente a melhor ajuda e o melhor guia.

Arquivo de Folhas Informativas anteriores a 25.11.2018