Terço dos Homens – 13 de junho 2024

Na próxima quinta-feira, dia 13 de junho, venha rezar o Terço dos Homens. [ler +]

Dia de Santo António em Caselas – 2024

Como é tradição na nossa Paróquia, o Dia de Santo António, Padroeiro principal da cidade de Lisboa e Padroeiro secundário de Portugal, vai ser  assinalado no dia 13 de Junho em Caselas, com uma Missa às 17h00 na Igreja da Sagrada Família. [ler +]

Arraial em Caselas – 2024

O Arraial de Santo António em Caselas está mesmo aí! [ler +]

Folha Informativa 09-06-2024

X Domingo do Tempo Comum (PDF) TEXTO

Monet, Nascer do sol

 

Penso nos vários sentidos que a palavra Espírito tem no texto bíblico: sopro, hálito vital, vento…

E é isso que me apetece rezar esta manhã, Senhor. Sopra sobre o indeciso, venha o sussurro do teu alento íntimo renovar o hesitante, a ventania de Deus nos mova.

Parecemo-nos tanto a embarcações travadas, velas erguidas sem a energia de novas praias, de intactos e aventurosos cabos…

Os nossos barcos rodam apenas em redor de si próprios. Manda, Senhor, a pulsão do Espírito, o ânimo criador que incessantemente nos coloca
ao encontro da novidade e da beleza do teu Reino.

Tolentino de Mendonça, 2014

Espírito Santo inspira diálogo com Deus e a humanidade

Papa Francisco, 2014

Caravaggio, Ceia de Emaús

O Espírito Santo ensina-nos
É o Mestre interior. Guia-nos pelo caminho certo, através das situações da vida. Ensina-nos a estrada, a via. Nos primeiros tempos da Igreja, o cristianismo era chamado «o caminho», e o próprio Jesus é o Caminho. O Espírito Santo ensina-nos a segui-lo, a caminhar seguindo os seus passos. Mais do que um mestre de doutrina, é um mestre de vida. E da vida faz parte, certamente, também o saber, o conhecer, mas dentro de horizonte mais amplo e harmonioso da existência cristã.

O Espírito Santo recorda-nos
É a memória viva da Igreja. E ao mesmo tempo que nos recorda, faz-nos compreender as palavras do Senhor. Este recordar no Espírito e graças ao Espírito não se reduz a um facto mnemónico, mas é um aspeto essencial da presença de Cristo em nós e na sua Igreja. O Espírito de verdade e de caridade recorda-nos tudo aquilo que Cristo disse, faz-nos entrar cada vez mais plenamente no sentido das suas palavras.
Todos nós temos esta experiência: num determinado momento, em qualquer situação, surge uma ideia e depois outra liga-se a um trecho da Escritura… É o Espírito que nos faz fazer esta estrada: a estrada da memória viva da Igreja. E isto pede de nós uma resposta: quanto mais a nossa resposta é generosa, mais as palavras de Jesus se tornam vida em nós, tornam-se atitudes, escolhas, gestos, testemunho. O Espírito recorda-nos o mandamento do amor, e chama-nos a vivê-lo.

Um cristão sem memória não é um verdadeiro cristão: é prisioneiro do momento, que não sabe fazer tesouro da sua história, não sabe lê-la e vivê-la como história de salvação.
Pelo contrário, com a ajuda do Espírito Santo, podemos interpretar as inspirações interiores e os acontecimento da vida à luz das palavras de Jesus. E assim cresce em nós a sabedoria da memória, a sabedoria do coração, que é um dom do Espírito Santo. Que o Espírito Santo reavive em todos nós a memória cristã.
E naquele dia, com os apóstolos estava a Senhora da memória, aquela que desde o início meditava todas aquelas coisas do seu coração. Estava Maria, nossa mãe. Que ela nos ajude nesta estrada da memória.

Faz-nos falar com Deus e com a humanidade
Não há cristãos mudos, mudos de alma; não, não há lugar para isto. Faz-nos falar com Deus na oração. A oração é um dom que recebemos gratuitamente; é diálogo com Ele no Espírito Santo, que reza em nós e nos permite dirigirmo-nos a Deus chamando-O Pai, Papá, “Abbà”; e este não é só uma “maneira de dizer”, mas é a realidade, nós somos realmente filhos de Deus.
Faz-nos falar no ato de fé.
O Espírito faz-nos falar com os homens no diálogo fraterno. Ajuda-nos a falar com os outros, reconhecendo-os como irmãos e irmãs; a falar com amizade, com ternura, com suavidade, compreendendo as angústias e as esperanças, as tristezas e as alegrias dos outros.
Faz-nos falar também aos homens na profecia, isto é, fazendo-nos canais humildes e dóceis da Palavra de Deus. A profecia é feita com franqueza, para mostrar abertamente as contradições e as injustiças, mas sempre com suavidade e intenção construtiva. Penetrados pelo Espírito de amor, possamos ser sinais e instrumentos de Deus, que ama, que serve, que dá a vida.

 

Arquivo de Folhas Informativas anteriores a 25.11.2018